Início Historia

Historia

[vc_custom_heading text=”HISTÓRIA” font_container=”tag:h2|text_align:center|color:%23ffffff”]

SOBRE SERTÃOZINHO

Sua história começou na primeira metade do século XIX, sua emancipação proporcionou-se no dia 29 de abril de 1994, sendo sua instalação em 01 de janeiro de 1997. Situado na microrregião de Guarabira (a 17 Km) e fica a 120 km da capital João Pessoa. Na época da colonização, o Município estava diretamente voltado para a família Costa, possuidora de vasta propriedade, onde existia grande plantação de algodão, e que beneficiava as pessoas do povoado. Depois apareceu uma fábrica, onde, ao seu redor, começava a construção de muitas casas com a finalidade de abrigar muitos operários. Daí, futuramente formava-se um núcleo populacional de considerável potencial. Logo, o lugar passou a progredir, chegando a ofuscar o movimento da Serra da Raiz, que se destacou como líder da região. Sertãozinho tem o privilégio de ficar situada numa região centralizada entre os municípios Pirpirituba, Belém, Serra da Raiz, Duas Estradas e Araçagi. No município está situado também o incubatório da Empresa Guaraves. Aqui foi onde nasceu o primeiro pinto paraibano da Guaraves. Clima: Tropical chuvoso com verão seco Temperatura Média: 30º C Localização: Agreste Paraibano Limites: Belém (10km), Pirpirituba (7,5km), Araçagi (13km), Duas Estradas 4km) e Serra da Raiz (5,5km).
Acesso Rodoviário: O município é cortado pela BR 083 que liga João Pirpirituba a Jacaráu,
o que facilita o deslocamento da população tanto para capital quanto para o Estado do Rio
Grande do Norte.
Distância da Capital: 120 km
Principais Pontos Turísticos: Estação Ferroviária
Great Western (1904-1950)
Rede Ferroviária do Nordeste (1950-1975)
RFFSA (1975-1997)
SERTÃOZINHO
Município de Sertãozinho, PB

Linha Norte – km 266 (1960) PB-3703
Inauguração: 01.01.1904
Uso atual: n/d com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
Histórico da Linha: A linha que originalmente unia a estação de Brum, no Recife, a Pureza,
próximo à divisa entre Pernambuco e Paraíba, foi aberta de 1881 a 1883 pela Great Western
do Brasil, empresa inglesa que tinha a posse e a concessão da E. F. Recife ao Limoeiro. Esta
linha avançou até Pilar, na antiga E. F. Conde DEu, incorporada à GW em 1901, onde sua
linha, aberta em 1883, entre outros ramais, avançava até Nova Cruz, já no Rio Grande do
Norte e da E. F. Natal a Nova Cruz, que também passou à GW, na mesma época. Para ligar
estas duas últimas, a GW construiu em 1904 um trecho de 45 km, formando então o que veio
a ser chamado de Linha Norte. Quando ocorreu a venda da GW para a Rede Ferroviária do
Nordeste, no entanto, o trecho do RN já não mais pertencia à GW, mas foi incorporado à
RFN, e em 1957 tudo isso foi uma das formadoras da RFFSA. A linha está ativa até hoje sob
o controle da CFN, que obteve a concessão da malha Nordeste em 1996, mas trens de
passageiros não circulam mais por essa linha desde os anos 1980.
A Estação: A estação de Sertãozinho foi inaugurada em 1904. Era na época uma pequena
povoação à margem da linha férrea Guarabira-Nova Cruz. A cidade foi fundada pela ferrovia.
Existe ali uma capela do Coração de Jesus, cuja imagem foi oferta da esposa do engenheiro
Bochum, que trabalhou na construção da ferrovia. A estação foi oficialmente desativada em
9/7/1979 pela RFFSA. Não sei o atual estado da estação. (Fontes: Jônatas Rodrigues,
05/2006; Guias Levi, 1932-1984; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960).

O HINO

I
Sertãozinho, nascente sobre mata
És querida e hospitaleiro,
Tua história é como uma lenda
Teu passado é lindo e verdadeiro.
II
Lembramos os bravos pioneiros
Que de vários lugares chegaram,
Trabalharam com amor e com coragem
Tuas matas e veredas desbravaram.
Refrão
Vens de grandes rebanhos,
Óh querida cidade,
Matas foi o teu berço
Cercas tua humildade. (bis)

III
Foi plantada uma nova semente,
Que por ela fostes emancipado,
E com ajuda do deus onipotente
Conseguiste ser premiado.
IV
Sertãozinho, exaltamos o teu nome,
Por um santo forte és protegido,
É Jesus que sempre te abençoa
E por ele, és sempre querido.
V
Por isso hoje nós também queremos,
No brejo fértil, deste chão plantar,
Uma vida nova, cheia de esperança,
Nesta abençoada terra cultivar.
VI
E com fé em nossa padroeira,
Nossa Senhora da Conceição,
Ela sempre nos traz felicidades
E amor no coração.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support